Archive for outubro, 2009

Bastardos Inglórios

Confesso que fui assistir Bastardos Inglórios com uma grande dose de desconfiança por um lado e de excitação por outro. A violência, às vezes com uma não-tão-estranha gratuidade, sempre me afastou da estética Tarantiniana. Se há uma coisa que valorizo acima de tudo na arte é a congruência de seus elementos. Explico: acredito que o todo congruente de uma obra se dá a partir do momento em que as partes se relacionam, entre si, de forma necessária. Se um elemento sequer for removido, a obra perde o sentido. Em Bastados Inglórios, senti, pela primeira vez, como nunca em Tarantino, não apenas a força da violência, mas sua necessidade, ao se relacionar com o resto da obra. Não há violência gratuita. A violência é uma espécie de elemental invocado a partir do sofrimento humano causado pelos nazistas.

Brad Pitt encarnando o sulista de sotaque forte 'Aldo Raine'

Brad Pitt encarnando o sulista de sotaque tão forte quanto sua brutalidade, 'Aldo Raine'

Ela vai sendo dissipada durante todo o filme e a sensação que me tomou foi mudando. Logo em um primeiro momento, quando dos primeiros minutos do filme – os primeiros minutos do primeiro ‘capítulo’ (sim, o filme é dividido em capítulos), o nível de tensão é ajustado em um nível bastante alto. Se fosse comparar com um ruído, seria suficiente para estourar os tímpanos de qualquer cidadão. Nesta primeira cena, um camponês avista uma viatura da SS e ordena que sua família entre em casa. Um oficial alemão, Hans Landa (Christoph Waltz), busca judeus que possam estar se refugiando na França e vai até a residência de Perrier LaPadite. A longa conversa, a lentidão das palavras do oficial alemão, a formalidade. Tarantino demora, sabiamente, até nos mostrar que realmente aquele homem refugiava judeus. Tomadas no rosto do Monsieur LaPadite e do oficial Landa evidenciam um contraste: o sofrer e a ansiedade de um homem de carne e osso versus a calma e o sadismo de um psicopata. O diálogo quase-silencioso entre LaPadite e o oficial Landa é genial. A tensão aumenta ainda mais, pouco a pouco, com o desenrolar da cena. LaPadite, para proteger sua família, é levado a entregar os refugiados e o velho “estilo Tarantino” é reconhecido quando os soldados que acompanhavam o oficial atiram um número desmedido de balas através do chão, onde a família judia estava escondida. Os tiros contrastam com o quase silêncio do diálogo anterior. A força da cena e a veracidade demonstrada pela atuação de Waltz fazem com que toda a violência vista a partir dali seja desejada pelo público.

Christoph Waltz

Christoph Waltz como Hans Landa, o vilão mais tenso de todos os tempos

A ferramenta que o diretor usa para nos levar a verdadeiras ‘sensações orgásticas de vingança’ é o pelotão dos ‘Inglourious Basterds’, liderado pelo Tenente Aldo Raine (Brad Pitt). O grupo executa toda sorte de crueldades contra os nazistas. Eles são a mão que Tarantino usa para, acima de tudo, e isto considero fato essencial para a compreensão completa do filme, fazer o público questionar sua própria moral. Para mim, foi impossível não me remeter à cena final de Dogville (onde nos questionamos porque nos sentimos tão bem com tamanha chacina), embora não seja tão explícito. Mas, de maneira semelhante, somos levados a nos questionar quanto a nossos valores: este ato de matar e torturar é repreensível e desumano, e mesmo assim sentimos um prazer imenso ao ver a brutalidade. Estamos sendo vingados. Somos levados um pouco mais próximo do Humano, mesmo que seja vergonhoso. Nietzsche questionou “quanto de verdade você pode suportar?”. Tarantino aperta em um botão dentro de nós. E é este o eixo. Ao reescrever a História, Tarantino pinta um quadro violento onde ao mesmo tempo sentimos prazer e nos questionamos quanto à ética desta fruição. Não posso falar mais pra não tornar isso num grande spoiler.

23/10/2009 at 7:29 pm 3 comentários

Motores de Busca, volume 1

É incrível ver de onde as pessoas chegaram ao seu blog. Food for thought.

filosofias iradas

Queria entender do que se trata uma filosofia irada. Tá buscando informações sobre o movimento Hippie?

imagens aterrorizadoras de vulcões a explodir

Sinceramente: QUAL O SENTIDO DESTA BUSCA CAIR NO MEU BLOG? Especialmente depois de “aterrorizadoras”. Vou até buscar se eu escrevi isso em algum lugar!

and i love her no assobio

O cara quer ouvir a música no ‘assobio’ no youtube? Por que ele mesmo não asso’b’ia a música?

texto do estudo da mente de uilame

Essa é novidade pra mim! Alguém sabe dizer se há mesmo um texto de Uílame sobre estudo da mente? Esse eu faço questão de ler!

23/10/2009 at 4:36 pm Deixe um comentário

Quartetos

Borodin, Quarteto No.2, 3o mov.

Mozart, Quarteto “Dissonante”, 1o mov. (lembrar que se trata de uma obra do século XVIII, percebam a dissonância!)

Beethoven, Grosse Fugue

Bartók, Quarteto No.5, 1o mov.

Schoenberg, Quarteto No.4, 1o mov.

Webern, Quarteto Op.28

09/10/2009 at 4:33 am Deixe um comentário


rápidas

Feeds